Segunda, 15 de Julho de 2024
16°C 26°C
Campina Grande, PB
Publicidade

Suplementação orçamentária: TJPB concede medida cautelar em ação promovida pela PMCG

Com a decisão, a prefeitura vai pagar aos prestadores de serviço da STTP e mais três secretarias. 

12/06/2024 às 12h57 Atualizada em 12/06/2024 às 19h48
Por: Redação
Compartilhe:
Suplementação orçamentária: TJPB concede medida cautelar em ação promovida pela PMCG

O Pleno do Tribunal de Justiça concedeu, na sessão desta quarta-feira (12), medida cautelar requerida pelo município de Campina Grande para "suspender a eficácia das alterações promovidas pela Emenda Supressiva nº 003/2024 à Lei Orçamentária Anual de 2024". A decisão, por unanimidade, seguiu o voto do desembargador Aluízio Bezerra Filho nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 0813458-23.2024.8.15.0000. Com a decisão, a prefeitura vai pagar aos prestadores de serviço da STTP e mais três secretarias. 

A liminar, concedida pelo TJ-PB, suspende os efeitos da Emenda Supressiva 003/2024 à Lei Orçamentária Anual (LOA), de 2024, impedindo o poder público municipal de realizar suplementações orçamentárias de até 30% do total das despesas. A alteração na LOA foi promovida pela Câmera de Vereadores, de maioria oposicionista.

De acordo com a parte promovente, "a suplementação orçamentária sempre foi concedida e autorizada diretamente na própria Lei Orçamentária Anual (LOA) em Campina Grande, inclusive essa previsão é expressa na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) em vigor. Contudo, no atual exercício financeiro de 2024 tal previsão foi suprimida do orçamento municipal através da emenda parlamentar supressiva n.º 003/2024”. Entende pela inconstitucionalidade da mencionada emenda, em afronta à Lei de Diretrizes Orçamentárias em vigor (Lei nº 8.672/2023), precisamente em seu artigo 5º, VIII, bem como ao art. 166, § 3º, da Constituição Federal, e art. 169, § 3º, I, da Constituição Estadual.

Sustenta ainda que a possibilidade de o Poder Legislativo emendar o orçamento não é discricionário e ilimitado, restando vinculado ao disposto na Constituição Estadual. Assevera, por fim, que o ato legislativo em evidência impede o livre exercício do Poder Executivo, com risco de engessamento da Administração Pública e suspensão de serviços públicos essenciais.

O desembargador Aluízio Bezerra frisou, em seu voto, que ao retirar do Poder Executivo Municipal a possibilidade da abertura de créditos suplementares, com a devida aprovação da Casa Legislativa, desvirtua a proposta original, que é de competência exclusiva do Chefe do Executivo Municipal, o que constitui flagrante violação ao princípio da exclusividade, que rege a Constituição Estadual (art. 21, § 1º) e a LOA (art. 11, caput e § 1º), e por consequência, fere o princípio constitucional da separação de poderes, previsto no artigo 2º da Constituição Federal e artigo 6º da Constituição Estadual.

"Vislumbrada a relevância do fundamento disposto na petição inicial, bem como evidenciados o fumus boni iuris e o periculum in mora, deve ser concedida a Medida Cautelar pleiteada pelo requerente", pontuou o relator.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Campina Grande, PB
18°
Parcialmente nublado

Mín. 16° Máx. 26°

18° Sensação
3.09km/h Vento
94% Umidade
20% (0.16mm) Chance de chuva
05h37 Nascer do sol
05h21 Pôr do sol
Ter 24° 16°
Qua 25° 17°
Qui 24° 17°
Sex 25° 16°
Sáb 27° 16°
Atualizado às 04h01
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,00%
Euro
R$ 5,93 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,05%
Bitcoin
R$ 361,819,41 +9,15%
Ibovespa
128,896,98 pts 0.47%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias